Domingo, 27 de Abril de 2008
por Daniel Oliveira



Tem razão o deputado Paulo Rangel (do PSD) quando escreveu, ontem no "Público", que esta intervenção de José Soeiro (do BE), concorde-se ou discorde-se dela, é das melhores que se fizeram nos últimos anos em comemorações do 25 de Abril. E cito Rangel porque ele foi autor, há dois anos, de outro excelente discurso sobre a qualidade da nossa democracia e os direitos cívicos. Aqui é Soeiro a ir para lá da espuma dos dias e a fazer uma intervenção de fundo sobre a escola e a democracia. Talvez a melhor resposta (involuntária) ao discurso beato de Cavaco sobre o suposto alheamento dos jovens em relação à política.

É importante repetir o óbvio: a democracia não é "assunto" pelo qual as pessoas se devam interessar. É uma prática diária. E quem, a cada momento, por razões de eficácia ou de saudosismo de uma autoridade perdida, quer reduzir a sua vivência nas escolas, nas empresas, no Estado ou no espaço público não se pode espantar quando os cidadãos (jovens ou não) tratam a democracia como uma coisa que lhes é estranha.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | partilhar

23 comentários:
O estudo citado por cavaco, também diz isto:
“Os portugueses são claramente favoráveis a medidas que aumentem a presença de
mulheres na vida política, criem novos mecanismos de participação, personalizem o
sistema eleitoral e introduzam mecanismos de democracia directa ou semidirecta.(...) Os
jovens não se distinguem particularmente dos mais velhos a este nível, a não ser ao
revelaram-se mais apoiantes da democracia directa”.

Vale a pena ler (http://www.presidencia.pt/archive/doc/Os_jovens_e_a_politica.pdf)

deixado a 27/4/08 às 21:33
link | responder a comentário

Daniel, alguém tem de explicar que não interessa ensinar aos jovens o que foi o 25 de Abril, pois eles iriam rapidamente perceber que, por menos do que fez Marcello Caetano, há por aí muito político que hoje também teria de ser mandado para o exílio...

deixado a 27/4/08 às 22:05
link | responder a comentário

Isabel
Por favor expliquem-me com é que os estrangeiros de fora conseguiram desenvolver-se e estar a anos-luz de nós?

Só de imaginar o atraso dos países nórdicos e da Europa Central, até me dá vontade de chorar, coitadinhos...

Como foram capazes de sobreviver sem a experiência da legitimidade revolucionária do PREC e sem o BE a abrir-lhes o caminho?

É extraordinário...foi com certeza milagre.

deixado a 27/4/08 às 22:35
link | responder a comentário

O discurso do Soeiro é como todos os cantos de sereia da política, sedutor mas trágico, tal como o discurso radical de direita contra os emigrantes e o seu perigoso discurso maniqueista. É um discurso de banalidades, nada que Cunhal não tivesse dito no dia seguinte ao 25 de Abril. E, então, como é que passamos do carácter tribunício dos discursos para as políticas concretas ? do meu ponto de vista, aprendendo com outras experiências e com os seus resultados. Assim, o discurso reformista e as políticas reformistas construiram na europa o modelo de bem-estar social, o discurso radical e revolucionário construiram a tirania, o despotismo e a miséria. Agora que o estado de bem-estar social está em crise devemos voltar ao radicalismo revolucionário de resultados tão nefastos, ou devemos prosseguir no reformismo ? Creio que este é o melhor caminho.
E este Soeiro não me disperta mais simpatia que os tipos que seguem as ideias, repito, as ideias de mário machado

deixado a 27/4/08 às 23:46
link | responder a comentário

mariana
tenho orgulho de ter sido colega de faculdade do zé. e de ter pintado murais contra a guerra no afeganistão com ele. fico satisfeita por ver homens como ele na assembleia; espero que ela não o manche.

deixado a 28/4/08 às 00:39
link | responder a comentário

Justicialista
Mas quem é este José Soeiro? Nunca ouvi falar dele. Tem algum currículo conhecido e digno?
Não penso que tenha sido eleito. Provavelmente é daqueles da rotação de lugares que pratica o BE.

deixado a 28/4/08 às 02:34
link | responder a comentário

p.heinz
Nem ia escrever nada mas com alguns destes comentários vai ter de ser. O discurso do Soeiro é mesmo muito bom. Primeiro, porque é uma boa reflexão sobre a democracia e a educação em Portugal. Depois, porque é combativo e o seu autor não tem medo das palavras. Por fim, porque, como vai dizendo o DO, foi a resposta que o discurso balofo do Cavaco merecia.

O facto de ver um jovem deputado de 24 anos a fazer este discurso, em comparação com as bestas que por aquela casa se sentam a pastar e mugir, demonstra bem como o discurso do Cavaco não vale nada. Não acrescenta nada ao que já se sabia e não diz o que devia ser dito.

deixado a 28/4/08 às 11:56
link | responder a comentário

Antonio
MAS ONDE É QUE SE PODE LER O DISCURSO DO SOEIRO?

deixado a 28/4/08 às 16:47
link | responder a comentário

Isabel, a ignorância é triste, só por si! Mas a ignorância arvorada sabe-se lá a quê, é por defeito, apenas, estupidez. Então os regimens do Norte da Europa caíram dos céus aos trambolhões? Não me parece... aliás julgo que por essa Europa agora tão "democrática" houve uma guerrinha com umas largas centenas de milhar de mortos. Chega-lhe para Prec ou precisa de mais. E sobre o BE, posso-lhe dizer que sendo relativamente jovem em Portugal, vem de uma família política com uma bela história a nível do movimento operário e socialista europeu ( e não só ). Leia Orwell, por exemplo...

"O discurso do Soeiro é como todos os cantos de sereia da política, sedutor mas trágico, tal como o discurso radical de direita contra os emigrantes e o seu perigoso discurso maniqueista..."- Don Vito, eu acho que você não ouviu o discurso do Soeiro. Porque se ouviu, e diz o que disse, ou fumou coisas estragadas ou caiu num caldeirão de ácidos quando era novo...
Dizer o que nos vem à cabeça só para tentar denegrir, demonstra falta de nível e pouca inteligência, o que é muito mau!
Justicialista, pelos comentários que o vejo fazer neste blogue, não é só o J. Soeiro que você desconhece. Mas, já agora, diga-me o nome de 40 deputados das bancadas PS e PSD, para nos cultivarmos todos...

deixado a 28/4/08 às 22:16
link | responder a comentário

Isabel, a ignorância é triste, só por si! Mas a ignorância arvorada sabe-se lá a quê, é por defeito, apenas, estupidez. Então os regimens do Norte da Europa caíram dos céus aos trambolhões? Não me parece... aliás julgo que por essa Europa agora tão "democrática" houve uma guerrinha com umas largas centenas de milhar de mortos. Chega-lhe para Prec ou precisa de mais? E sobre o BE, posso-lhe dizer que sendo um partido relativamente jovem em Portugal, vem de uma família política com uma bela história a nível do movimento operário e socialista europeu ( e não só ). Leia Orwell, por exemplo...

"O discurso do Soeiro é como todos os cantos de sereia da política, sedutor mas trágico, tal como o discurso radical de direita contra os emigrantes e o seu perigoso discurso maniqueista..."- Don Vito, eu acho que você não ouviu o discurso do Soeiro. Porque se ouviu, e diz o que disse, ou fumou coisas estragadas ou caiu num caldeirão de ácidos quando era novo...
Dizer o que nos vem à cabeça só para tentar denegrir, demonstra falta de nível e pouca inteligência, o que é muito mau!
Justicialista, pelos comentários que o vejo fazer neste blogue, não é só o J. Soeiro que você desconhece. Mas, já agora, diga-me o nome de 40 deputados das bancadas PS e PSD, para nos cultivarmos todos...

deixado a 28/4/08 às 22:18
link | responder a comentário

Comentar post

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador