Segunda-feira, 30 de Novembro de 2009
por Daniel Oliveira



Contra todas as sondagens, a maioria dos suiços que votaram no referendo de hoje (proposto por dois partidos de extrema-direita) decidiu que, numa originalidade em qualquer democracia do mundo, a sua constituição proibirá uma única religião, ao contrário de todas as restantes, de construir torres nos seus templos. A decisão não resulta de um problema real - há apenas quatro minaretes num total de 180 mesquitas em todo o país -, mas de uma xenofobia profunda.

Este é também um aviso para os perigos de referendos que dão à maioria o poder de limitar os direitos de uma minorias. Direitos que, no entanto, garantem para si próprios. O que a Suiça aprovou é um aborto democrático e um sinal de alerta para os que têm brincado com o fogo e julgado que a islamofobia é muito "cool", moderna, liberal e "politicamente incorrecta". Ficam assim de braço dado com a extrema-direita europeia. Ainda se hão de se lembrar da companhia que escolheram quando chegar a sua vez de serem condenados à invisibilidade.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (253) | partilhar

Domingo, 29 de Novembro de 2009
por Pedro Vieira


© rabiscos vieira


por Pedro Vieira
link do post | comentar | ver comentários (8) | partilhar

por Daniel Oliveira


por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (33) | partilhar

por Daniel Oliveira
O Sporting ainda não ganha mas já joga.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (30) | partilhar

Sábado, 28 de Novembro de 2009
por Pedro Vieira


por Pedro Vieira
link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Sexta-feira, 27 de Novembro de 2009
por Daniel Oliveira


por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (67) | partilhar

por Daniel Oliveira
O governo norueguês acusou as autoridades irnanianas de terem confiscado à advogada Shirín Ebadí a medalha e o diploma do prémio Nobel da Paz que esta recebeu em 2003.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (17) | partilhar

por Daniel Oliveira
O Arrastão continua a assinalar o 20º aniversário da queda do muro com a série "Guerra Fria". O documentário tem 24 episódios, é de Jeremy Isaacs e foi produzido em 1998 pela CNN e BBC. Este décimo episódio trata da revolução cubana e a resposta americana, seguido do apoio soviético a Fidel Castro e a crise do mísseis




Episódios anteriores:
1: Camaradas 1917-1945 ; 2: o Cortina de Ferro 1945-1947; 3: Plano Marshall 1947-1952; 4: Berlim 1948-1949; 5: Coreia 1949-1953; 6: Reds 1947-1953; 7: Depois de Estaline 1953-1956; 8: Sputnik 1949-1961; 9: O Muro 1958-1963


por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (16) | partilhar

Quinta-feira, 26 de Novembro de 2009
por Daniel Oliveira
Depois de a vítima entrar, durante três horas e meia, socaram-no e pontapearam-no. Amarraram J. a uma cruz de madeira, deitaram-no dentro de uma banheira e verteram cera de velas acesas para o seu corpo. Rui Dias utilizou uma serra para o cortar em diversas partes do corpo, incluindo o pénis.

Este é um dos casos que serviu de base ao Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) para acusar sete de oito arguidos - Mário Machado, Rui Dias, Fernando Massas, Nuno Cerejeira, Bruno Ramos, Bruno Monteiro, Pedro Themudo e João Francisco Dourado (ver caixa ao lado). Segundo o DCIAP, organizavam-se para sequestrarem e roubarem potenciais compradores de estupefacientes, e os seus amigos, através de extrema violência e com recurso a diversas armas.

A acusação elaborada pelo DCIAP refere que o militante nacionalista Mário Machado tentou ainda impor no Algarve a liderança da organização de extrema-direita Hammerskins. Entre alguns relatos, os investigadores garantem que em Dezembro de 2008 Mário Machado, Nuno Cerejeira, Rui Dias e Fernando Massas atraíram J. a uma casa em Odivelas para lhe venderem droga. Depois da agressão, que incluiu requintes de sadismo, só terminaram depois de a vítima assinar um papel em que se comprometia a pagar 15 mil euros.

Noutro acontecimento relatado pela acusação, R. encomendou, juntamente com um amigo, 2500 euros de cocaína a Nuno Cerejeira. Este último avisou que um amigo o iria contactar. Segundo o DCIAP, Mário Machado combinou um encontro com R. a 20 de Janeiro deste ano, juntamente com Rui Dias e Fernando Massas no hipermercado Feira Nova em Alverca. Depois de irem buscar uma arma, passaram a agredir R. e a tentar que ele lhes dissesse a morada do amigo com quem ia comprar a cocaína. Segundo os relatos, Fernando Massas, enquanto socava R., avisava que ia matar-lhe a mulher, arrancar a cabeça da filha e jogar à bola com ela. Dentro do carro, Mário Machado deu uma coronhada na cabeça de R. e colocou o cano da arma na sua boca. R. conseguiu pedir ajuda, mas ficou sem dinheiro e sem o carro.

Segundo a investigação, os automóveis que o grupo de Mário Machado roubava iam parar a uma oficina em Lourel, Sintra, para serem desmantelados e vendidos às peças. (...)

Entre outros casos relatados na acusação, em Fevereiro deste ano, durante um sequestro, Rui Dias usava um colete com a palavra Polícia escrita, enquanto Mário Machado, Rui Dias, Fernando Massas e Bruno Ramos se identificaram como agentes da autoridade.

Ainda segundo o despacho de acusação, Nuno Cerejeira, já detido, telefonou a uma das vítimas avisando-o de que teria de retirar a queixa para acalmar o ódio de Mário Machado. Estes são alguns dos casos que serviram de base à acusação concluída a semana passada. Dos oito arguidos, cinco estão em prisão preventiva desde Março deste ano.

Do jornal "i"

Não me esqueço, quando fui eu o queixoso, de uns senhores com responsabilidades (Pacheco Pereira, o bastonário Marinho Pinto e tantos blogues de direita) que quiseram transformar estes senhores em presos políticos. Espero que percebam agora a figura que andaram a fazer. Também não me esqueço dos que não hesitaram em comparar esta gente a alguns partidos parlamentares (a lista é interminável e deixo aqui apenas dois de muitos exemplos: este e este). Espero ainda que a comunicação social se pergunte como andou a tratar Mário Machado como activista político, referindo-se a ele como "dirigente nacionalista". E espero, por fim, que o destino do dinheiro destes crimes seja investigado. Talvez se descubram coisas interessantes.

PS: ao fim de meses ainda não recebi a indemnização decretada pelo tribunal e que já tem destino como doação.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (82) | partilhar

Quarta-feira, 25 de Novembro de 2009
por Daniel Oliveira
Pedro Lomba: "A propósito do que li aqui e aqui, confirmo que publiquei esta crónica no Público a 12 de Novembro, quinta-feira e na segunda-feira da semana seguinte, dia 16 de Novembro, a 2 horas de entregar o meu texto pronto para ser publicado na edição de terça do Diário Económico, como sempre fiz desde o princípio de 2008, fui contactado pelo editor de opinião do jornal informando-me de que a minha colaboração era dispensada. Não obstante ter escrito imediatamente ao director do Diário Económico manifestando a minha surpresa por ter sido dispensado sem uma explicação no próprio dia em que iria entregar um artigo, não recebi qualquer resposta."

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (43) | partilhar

por Daniel Oliveira
Penedos saiu da REN. Não foi o próprio que saiu pelo seu pé, como exigia a decência. Não foi o governo que o mandou sair, como exigia o rigor. Foi o tribunal. Depois não se queixem da preocupante justicialização da política. Se a política não trata do mínimo dos mínimos...

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (33) | partilhar

por Daniel Oliveira
O 31 da Armada fez 3 anos. É engraçado porque os rapazes conseguiram importar da equerda algum tipo de modus operandi. E têm uma vantagem: se eles o fizeram, as pessoas sorriem. Se a esquerda o fizer é a arruaça. E eles aproveitam. Fazem bem.

Ontem ergueram uma estátua a Jaime Neves no Campo Pequeno (cá fora?). Lamentavelmente, esqueceram-se dos verdadeiros líderes daquele dia: Melo Antunes, Vasco Lourenço e Ramalho Eanes. Extraordinário que, mesmo no dia que eles festejam, tenha sido a esquerda a pensar e para a direita tenha ficado reservado um papel meramente operacional. Neste país, a esquerda teve as suas desavenças ideológicas. A direita era apenas o pitt-bull que se tinha no quintal para caso de necessidade.

Já me esquecia: parabéns ao 31. Quando precisarmos deles avisamos. Não são o Jaime Neves, mas sempre podem assaltar umas varandas e esse tipo de coisas.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (86) | partilhar

por Daniel Oliveira
Fixar a identidade imaginada para identificar e excluir o outro ou exigir, não apenas cumprimento da lei, mas concordância com valores que nunca foram unânimes entre os próprios nacionais abre portas que vão muito para além da questão da imigração. Dois passos sinistros em dois países com uma história que os deveria fazer pensar muitas vezes.

Um imigrante deverá ter de assinar um contrato dizendo que aceita certos valores quando decidir ir viver para a Alemanha, segundo planos ontem anunciados em Berlim. Entre os valores que os candidatos a viver no país têm de prometer respeitar estão a liberdade de imprensa ou os direitos iguais para as mulheres.

Em França, o governo lançou a que devem aderir todas as estruturas do Estado para descobrir o que é ser francês. A perguntas como "o que faz com que nos sintamos próximos dos outros franceses, mesmo sem os conhecermos?", juntam-se referências "à nossa gastronomia", "às nossas igrejas e catedrais", num ensaio de psicanálise colectiva.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (130) | partilhar

por Daniel Oliveira


por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (7) | partilhar

por Daniel Oliveira
Pacheco Pereira atira no seu programa contra quem faz propaganda e contra-informação em blogues. Isto, num programa de televisão onde, sozinho, o homem não faz outra coisa: campanha partidária da mais descarada e contra-informação. Chamar ao que ali se vê análise de imprensa (no que à imprensa diz respeito, Pacheco Pereira está, em tudo o que diz e nas escolhas que faz, muito abaixo da banalidade como qualquer pessoa que acompanhe o fenómeno mediático com algum rigor pode explicar), só por brincadeira. Citando Pacheco Pereira, é um programa muito especial.


por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (32) | partilhar

Terça-feira, 24 de Novembro de 2009
por Daniel Oliveira



Desde Janeiro:

Maria Graça, 82 anos. Morta à facada pelo seu companheiro na Quinta da Atalaia, Covilhã
Conceição, 47 anos. Baleada pelo marido em Alvélos, Barcelos.
Tânia, 30 anos. Morta a tiro pelo companheiro, um guarda prisional, de 44 anos, com a sua arma de serviço, em São Julião do Total, Loures.
Maria Manuela, 49 anos. Esfaqueada até à morte pelo ex-marido, de 53 anos, dentro do seu carro, quando se preparava para ir trabalhar, em Casais de Arega, Figueiró dos Vinhos.
Sandra, 36 anos. Esfaqueada mortalmente em Pouço do Mouro, Setúbal, pelo companheiro de 43 anos.
Sara, 26 anos. Morta em Portimão pelo marido, de 24 anos, com uma faca.
Laura, 42 anos. Morta a tiro pelo marido em Frazão, Paços de Ferreira.
Marília, 36 anos. Baleada mortalmente com uma espingarda pelo companheiro de 36 anos em A do Neves, Almodôvar.
Deolinda, 36 anos. Morta com uma caçadeira de canos serrados pelo companheiro de 47 anos, em Silves.
Maria, 61 anos. Vítima de um tiro de caçadeira disparado pelo marido de 63 anos, em Moitelas, Sobral do Monte Agraço.
Cláudia, 37 anos. Morta por três tiros disparados pelo marido, do qual se tinha separado há cinco meses, em Vila Pouca de Aguiar.
Liliana, 36 anos. Morta em casa dos pais pelo seu ex-companheiro, em Donelo, Sabrosa.
Otília, 45 anos. Assassinada com uma arma de fogo pelo marido, do qual se estava a divorciar e contra o qual já tinha apresentado várias queixas, em Arco da Calheta, na ilha da Madeira.
Sandra, 23 anos. Assassinada no posto de trabalho com um machado pelo ex-companheiro, de 26 anos, em Chão Duro, na Moita.
Linda, 37 anos. Assassinada pelo ex-companheiro, contra o qual já tinha apresentado várias queixas, no Seixal.
Helena, 42 anos. Assassinada pelo marido, um soldado da GNR, com uma pistola, em Lardosa, Castelo Branco.
Sandra, 39 anos. Morta com um tiro na cabeça pelo companheiro, de 42 anos, agente da PSP, em Belas, Sintra.
Margarida, 36 anos. Esfaqueada pelo companheiro (a esquadra de Mirandela conhecia os relatos de violência doméstica entre o casal).
Sandra, 23 anos. Violada e esfaqueada até à morte pelo ex-companheiro juntamente com a amiga Marinela, em Rio de Mouro, Sintra.
Carla, 28 anos. Assassinada à facada pelo ex-namorado, em Juncal do Campo, Castelo Branco.
Joana, 20 anos. Encontrada morta no carro do namorado de 22 anos, com um saco de plástico na cabeça.
Maria, 36 anos. Abatida a tiro ontem pelo ex-companheiro, em Santarém.
E mais três vítimas de identidade desconhecida: uma mulher de 41 anos mortalmente estrangulada em Raposeira, Chaves, pelo marido; uma mulher de 21 anos, atingida por vários golpes com uma arma branca, pelo namorado, na ilha de São Miguel, nos Açores; e uma jovem de 21 anos degolada pelo ex-namorado em Ponta Delgada.

E tantas que diariamente são vítimas de abuso, humilhação e espancamentos pelos seus companheiros.


por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (92) | partilhar

por Arrastão

O Santa Aliança é um agregador de blogues de política e cultura escritos por bloggers de esquerda organizado pelo Arrastão.

 

Indisponível de momento.


por Arrastão
link do post | partilhar

por Daniel Oliveira

Sócrates


por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (97) | partilhar

por Pedro Vieira

© rabiscos vieira


por Pedro Vieira
link do post | comentar | ver comentários (27) | partilhar

por Daniel Oliveira
Cada vez que surge uma investigação sobre corrupção não falta quem esteja disposto a trocar o rigor por facilidades. Por mim, só estou disponível para debater regras claras, previsíveis e eficazes. Primeira: levantamento do sigilo bancário. Não deixa de ser extraordinário que sejam os mesmos que tão facilmente aceitam a banalização de escutas telefónicas a mostrar tanto amor ao segredo das contas. Talvez porque o dinheiro nos diga muito mais sobre quem realmente manda neste país. Segunda: acabar com a distinção absurda entre corrupção para acto lícito e para acto ilícito. Tudo o que resulta da compra de favores ao Estado é ilícito. Terceira: criminalização do enriquecimento ilícito. A indignação com a possibilidade da inversão do ónus da prova é sonsa. Não é o que acontece quando somos obrigados a explicar ao fisco de onde vêm os nossos rendimentos? Quarta: mudança das formas de financiamento das autarquias, que são um autêntico convite à corrupção e à promiscuidade.

Leia o resto do texto e comente aqui.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 23 de Novembro de 2009
por Daniel Oliveira
José Eduardo dos Santos quer “tolerância zero” do MPLA contra a corrupção.

por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (35) | partilhar

por Daniel Oliveira



Vejam mais sobre a campanha "Save Miguel". Escusada era a musiquinha mexicana.  Encontrado aqui.


por Daniel Oliveira
link do post | comentar | ver comentários (11) | partilhar

por Arrastão
tags:

por Arrastão
link do post | partilhar

por Arrastão
  • Braga/Guimarães: Prometeu
  • Braga/V.N. Famalicão: Famalicão e Política
  • Braga/V.N.Famalicão: José Luís Araújo
  • Braga/V.N.Famalicão: Praça Pública
  • Braga/Vila Verde: Vila Verde
  • Braga/Vizela: Ruptura Vizela
  • Braga: BlogMinho
  • Bragança/Bragança: Braganzónia
  • Bragança/Carrazeda de Ansiães: Carrazeda de Ansiães em Palavras e Imagens
  • Bragança/Carrazeda de Ansiães: Pensar Ansiães
  • Bragança/Miranda do Douro: Agarra-me esses Palos
  • Bragança/Miranda do Douro: Blogue do Miranês
  • Bragança/Miranda do Douro: Cumo Quien Bai de Camino
  • Bragança/Miranda do Douro: Decumentaçon Mirandesa
  • Bragança/Miranda do Douro: Froles Mirandesas
  • Bragança/Miranda do Douro: L Diç que Diç de Dues Eigreijas
  • Bragança/Miranda do Douro: Nuobasdalpraino
  • Bragança/Miranda do Douro: Quien Cunta ua Cuonta …
  • Bragança/Miranda do Douro: Topónimos Sítios Chamadeiros
  • Bragança/Miranda do Douro: Tortulhas
  • Bragança/Miranda do Douro: You que Sei…Mas Eiqui Ven al Gambuzinu que Ya t’al Diç!
  • Bragança/Miranda do Douro: You Sou Raposa
  • Bragança/Mirandela: Blogue TV de Mirandela
  • Bragança/Mirandela: Frechas
  • Bragança/Mirandela: MirandelaGay
  • Bragança/Mirandela: Movimento Cívico por Mirandela
  • Bragança/Mogadouro: Mugaydouro
  • Bragança/Vinhais: Vinhais Ontem, Hoje e Sempre
  • Castelo Branco/Castelo Branco: Casa Comum das Tertúlias
  • Castelo Branco/Castelo Branco: Do Cerro da Cardosa
  • Castelo Branco/Castelo Branco: O Albicastrense
  • Castelo Branco/Castelo Branco: O Papalagui
  • Castelo Branco/Castelo Branco: Por Baixo dos Bigodes do Vaz Preto
  • Castelo Branco/Covilã: O Cântaro Zangado
  • Castelo Branco/Covilhã: Banda da Covilhã
  • Castelo Branco/Covilhã: Covilhã Abandonada
  • Castelo Branco/Covilhã: CovilhãMaior
  • Castelo Branco/Covilhã: Depois da Covilhã
  • Castelo Branco/Covilhã: Mafia da Cova
  • Castelo Branco/Idanha-a-Velha: Por terras do rei Wamba
  • Castelo Branco/Penamacor: Beságueda
  • Castelo Branco/Sertã: Princesa da Beira
  • Coimbra/Arganil: Arganil
  • Coimbra/Cantanhede: O Gandarês
  • Coimbra/Coimbra (Ameal): Ameal
  • Coimbra/Coimbra: A Mesa de Café
  • Coimbra/Coimbra: Amigos da Cultura
  • Coimbra/Coimbra: BeiraBeira
  • Coimbra/Coimbra: Bordado de Murmúrios
  • Coimbra/Coimbra: Brutális
  • Coimbra/Coimbra: Denúncia Coimbrã
  • Coimbra/Coimbra: H2SOlitros
  • Coimbra/Coimbra: Iluminati
  • Coimbra/Coimbra: Lusa Atenas
  • Coimbra/Coimbra: O Sexo e a Cidade
  • Coimbra/Coimbra: Palombella Rossa
  • Coimbra/Coimbra: Políticaehouse
  • Coimbra/Coimbra: Ponte Europa
  • Coimbra/Figueira da Foz: Amicus Ficaria
  • Coimbra/Figueira da Foz: Confraria das Bifnanas
  • Coimbra/Figueira da Foz: Dass
  • Coimbra/Figueira da Foz: Outra Margem
  • Coimbra/Figueira da Foz: Quinto Poder
  • Coimbra/Miranda do Corvo: Espaço Aberto – Uma Nova Miranda
  • Coimbra/Pampilhosa da Serra (Ceiroquinho): Sem Ordem
  • Coimbra/Vila Nova de Poiares: Poiares Online
  • Évora/Alandroal: Al Tejo
  • Évora/Borba: Alto da Praça
  • Évora/Estremoz: Alentejanices
  • Évora/Estremoz: Estremoz em Debate
  • Évora/Évora: Mais Évora
  • Évora/Vendas Novas: Atribulações Locais
  • Faro/Albufeira: Albufeira Sempre
  • Faro/Faro: A Defesa de Faro
  • Faro/Faro: Faro Este
  • Faro/Lagos: Makejeite
  • Faro/Loulé: Antena Louletana
  • Faro/Loulé: António Boronha
  • Faro/Loulé: Grande Gente Louletana
  • Faro/Olhão: Alcabrozes
  • Faro/Olhão: Asul
  • Faro/Olhão: Olhão Livre
  • Faro/Portimão: Cartas de Alcalar
  • Faro/Portimão: Vento Sueste
  • Faro/Silves: Local & Blogal
  • Faro/Tavira: Al(maria)do
  • Faro/Tavira: Terra do Sol
  • Faro/V.R.S. António: Almareios
  • Faro: A Fábrica
  • Faro: Alcagoita
  • Faro: Notas Soltas
  • Guarda/Guarda: Café Mondego
  • Guarda/Guarda: Filosofia de Curral
  • Guarda/Guarda: Guarda Nocturna
  • Guarda/Guarda: O Egitaniense
  • Guarda/Sabugal: Capeia Arraiana
  • Guarda/Seia: João Tilly
  • Guarda: Estrela no seu Melhor
  • Leiria/Alcobaça: Alcobaça – Ecos e Comentarios
  • Leiria/Alcobaça: Aljubarrota Nossa
  • Leiria/Alcobaça: Comentar a Nossa Terra
  • Leiria/Alcobaça: Gentes e Frentes
  • Leiria/Leiria: Leiria de Cuecas
  • Leiria/Marinha Grande: Marinha Grande que futuro?
  • Leiria/Marinha Grande: Praça Stephens
  • Leiria/Peniche: Amigos de Peniche
  • Leiria/Peniche: Cabo Carvoeiro
  • Leiria/Peniche: Converdar em Peniche
  • Leiria/Pombal: Blog do Mesquita
  • Lisboa/Lisboa: Cidadania LX
  • Lisboa/Lisboa: Degradação da Baixa Lisboeta
  • Lisboa/Lisboa: Diário de Lisboa
  • Lisboa/Lisboa: Gente de Lisboa
  • Lisboa/Lisboa: LisboaLisboa
  • Lisboa/Lisboa: O Céu Sobre Lisboa
  • Lisboa/Lisboa: Viver na Alta de Lisboa
  • Lisboa/Odivelas: Odivelas – Urbe
  • Lisboa/Oeira (Cruz Quebrada e Dafundo): Cruz Quebrada e Dafundo City
  • Lisboa/Oeiras (Paço de Arcos): Ermida
  • Lisboa/Oeiras (Porto Salvo): Escrever sobre Porto Salvo)
  • Lisboa/Oeiras: O Juíz de Oeiras
  • Lisboa/Oeiras: Oeiras Local
  • Lisboa/Oeiras: Parque dos Poetas
  • Madeira/Câmara de Lobos: Zaragata no Calhau
  • Madeira/Funchal: A Lenda de Machim
  • Madeira/Funchal: Apontamentos Sem Nome
  • Madeira/Funchal: Conspirações às Sete
  • Madeira/Funchal: Cortar da Direita
  • Madeira/Funchal: Esquerda Revolucionária
  • Madeira/Funchal: Farpas da Madeira
  • Madeira/Funchal: Madeira, Minha Vida
  • Madeira/Funchal: Melhor do que o Teu
  • Madeira/Funchal: Pensa Madeira
  • Madeira/Funchal: Pode Ser liberdade
  • Madeira/Funchal: Réplica e Contra-Réplica
  • Madeira/Funchal: Terreiro da Luta
  • Madeira/Funchal: Urbanidades da Madeira
  • Madeira/Funcjal: Ultraperiferias
  • Madeira/Ribeira Brava: Bilhardeiro
  • Madeira/Santa Cruz: Basta que Sim
  • Madeira: Berdades da Boca p’ra Fora
  • Madeira: Besoirar
  • Madeira: Bilhadeirada
  • Madeira: Causa Proletária
  • Madeira: Com que Então!
  • Madeira: Hora Madeira
  • Madeira: O Pravda Ilhéu
  • Madeira: Olho de Fogo
  • Médicos pela Escolha
  • Portalegre/Avis: Do Castelo
  • Portalegre/Castelo de Vide: Castelo de Vide
  • Portalegre/Elvas: A Loja do Mestre André
  • Portalegre/Elvas: Zé de Mello
  • Portalegre/Ponte do Sor: Filhos da Ponte
  • Portalegre/Ponte do Sor: Ponto do Sor
  • Portalegre/Portalegre: A Voz de Portalegre
  • Porto/Amarante: Por Amarante, Sem Barragens
  • Porto/Felgueiras: A Fábrica
  • Porto/Felgueiras: A Rosa
  • Porto/Felgueiras: Diário de Felgueiras
  • Porto/Felgueiras: Felgueiras 1900
  • Porto/Felgueiras: Felgueiras 2005
  • Porto/Felgueiras: Mudar Felgueiras
  • Porto/Felgueiras: Santa Quitéria
  • Porto/Felgueiras: Terra de Felgueiras
  • Porto/Felgueiras: Tribuna de Felgueiras
  • Porto/Maia: Bem Comum
  • Porto/Maia: Cidadania Maia
  • Porto/Maia: Intervenção Maia
  • Porto/Maia: O Cívico
  • Porto/Maia: Zé Maiato
  • Porto/Marco de Canavezes: Marco Hoje
  • Porto/Matosinhos: Mar de Matosinhos
  • Porto/Matosinhos: Mar de Matosinhos
  • Porto/Matosinhos: O Leixão
  • Porto/Matosinhos: O Pior e o Melhor de Matosinhos
  • Porto/Matosinhos: O Porto de Leixões
  • Porto/Penafiel: Arrifana do Sousa
  • Porto/Penafiel: Penafidelis
  • Porto/Penafiel: Penafiel Terra Nossa
  • Porto/Penafiel: Pensar Penafiel
  • Porto/Porto: A Baixa do Porto
  • Porto/Porto: A Cidade Surpreendente
  • Porto/Porto: Aliados
  • Porto/Porto: Amar o Porto
  • Porto/Porto: Cidade Surpreendente
  • Porto/Porto: Clube dos Pensadores
  • Porto/Porto: Comboio Azul
  • Porto/Porto: Coriscos
  • Porto/Porto: Invicta
  • Porto/Porto: Jornal O Portuense
  • Porto/Porto: O Querido Líder
  • Porto/Porto: O Verde e o Cinzento
  • Porto/Porto: Porto Norte
  • Porto/Porto: Porto Ponto
  • Porto/Porto: Portuense
  • Porto/Porto: Portus Cale
  • Porto/Porto: Renovar o Porto
  • Porto/Porto: Um Porto Putativo
  • Porto/Póvoa do Varzim: Povoalimpa
  • Porto/Póvoa do Varzim: O Poveiro
  • Porto/Santo Tirso (Vila das Aves): Socióloga Avense
  • Porto/Santo Tirso: O Blog do Vítor
  • Porto/Santo Tirso: O Tirsense
  • Porto/Santo Tirso: Santo Tirso… O Melhor e o Pior
  • Porto/Vila do Conde (S. Simão da Junqueira): Junqueira
  • Porto/Vila do Conde: Ouriço Cacheiro
  • Porto/Vila do Conde: Vida na Vila
  • Região Norte: Bússola
  • Região Norte: Nortadas
  • Região Norte: Norteamos
  • Santarém/Abrantes: Abrantes Online
  • Santarém/Abrantes: Nuno Gil
  • Santarém/Abrantes: Pedro Marques
  • Santarém/Abrantes: Sentieiras
  • Santarém/Almeirim: Blog de Almeirim
  • Santarém/Alpiarça: O Alpiarcense
  • Santarém/Cartaxo: Conversas no Cartaxo
  • Santarém/Cartaxo: O Blog do Vasco
  • Santarém/Chamusca: Terra Branca
  • Santarém/Coruche: Conspirações da Vila de Coruche
  • Santarém/Ferreira do Zêzere: Algures por Ferreira
  • Santarém/Ferreira do Zêzere: Ferreira 2009
  • Santarém/Mação: Vozes Livres de Mação
  • Santarém/Ourém: O Castelo
  • Santarém/Ourém: Ourém
  • Santarém/Rio Maior: Rio da Ponte
  • Santarém/Salvaterra de Magos: Salvaterra Podia ser Mais Fixe
  • Santarém/Santarém: O Cheiro de Santarém pela Manhã
  • Santarém/Tomar: A Coluna Vertebral
  • Santarém/Tomar: Des-Encantados
  • Santarém/Tomar: Tomar
  • Santarém/Torres Novas (Riachos): Corrupto
  • Santarém/Torres Novas: Campos da Várzea
  • Santarém/Torres Novas: Canhotices
  • Santarém/Torres Novas: Lapas do Almonda
  • Santarém/Torres Novas: Novas Torres
  • Setúbal/Alcochete (Samouco): Tony & Zeze
  • Setúbal/Alcochete: Praia dos Moínhos
  • Setúbal/Almada (Caciclhas): Pontal de Cacilhas
  • Setúbal/Almada (Costa da Caparica): Caparica Futurista
  • Setúbal/Almada: Almada Cultura
  • Setúbal/Almada: AlmaDalmada
  • Setúbal/Almada: Atento
  • Setúbal/Almada: Casario do Ginjal
  • Setúbal/Almada: Centro de Cultura Libertária
  • Setúbal/Almada: Coisitas do Vitorino
  • Setúbal/Almada: Debaixo do Bulcão
  • Setúbal/Almada: Emalmada
  • Setúbal/Almada: Infinito’s
  • Setúbal/Almada: Largo da Memória
  • Setúbal/Almada: O Lado Certo
  • Setúbal/Almada: O Pharol
  • Setúbal/Almada: Síndico Al-Madan
  • Setúbal/Almada: Triângulo da Ramalha
  • Setúbal/Barreiro (Lavradio): Entre o Tejo e o Sado
  • Setúbal/Barreiro: A Parágem do 18
  • Setúbal/Barreiro: Barreiro Sempre Vive!
  • Setúbal/Barreiro: Barreiro Velho
  • Setúbal/Barreiro: Breviário Político Barreirense
  • Setúbal/Barreiro: Capikua
  • Setúbal/Barreiro: Vox Clamantis in Deserto
  • Setúbal/Moita (Alhos Vedros): Alhos Vedros ao Poder!
  • Setúbal/Moita (Alhos Vedros): Alhos Vedros City
  • Setúbal/Moita (Baixa da Banheira): O Banheirense
  • Setúbal/Moita: Arre Macho
  • Setúbal/Moita: Brocas Vetus
  • Setúbal/Moita: Um por Todos, Todos por Um
  • Setúbal/Seixal (Paio Pires): Aldeia de Paio Pires
  • Setúbal/Seixal (Paio Pires): Crónicas d’Aldeia
  • Setúbal/Seixal (Pinhal dos Frades): Pinhal Frades
  • Setúbal/Seixal (Verdizela/Corroios): Verdizela Viva
  • Setúbal/Seixal: A Revolta das Laranjas
  • Setúbal/Seixal: A-Sul
  • Setúbal/Seixal: Alto Forno
  • Setúbal/Seixal: Fúria do Cajado
  • Setúbal/Seixal: Por Cá Tudo na Mesma
  • Setúbal/Seixal: Rumo a Bombordo
  • Setúbal/Seixal: Seixal Sim
  • Setúbal/Setúbal (Fonte da Lavra): Fonte da Lavra
  • Setúbal/Setúbal: Albarcuel
  • Setúbal/Setúbal: Bocage Acordou
  • Setúbal/Setúbal: Maravilha Abandonada
  • Setúbal/Setúbal: Vox Patriae
  • Viana do Castelo/Paredes de Coura: Mais pelo Minho
  • Viana do Castelo/Ponte de Lima: Parar para Pensar
  • Viana do Castelo/Ponte de Lima: Ponte de Lima
  • Viana do Castelo/Viana do Castelo: Sentido Único
  • Viseu/Castro de Aire (Moura Morta): Moura Morta
  • Viseu/Penalva do Castelo: Putas ao Poder
  • Viseu/São Pedro do Sul: O Caricas
  • Viseu/Viseu: Barões da Sé de Viseu
  • Viseu/Viseu: Viseu, Senhora da Beira
  • Viseu/Vouzela: Pastel de Vouzela
  • 10. R.I.P.

  • 11. Notícias Nacionais

  • 12. Notícias do Mundo

  • 14. Publicações Nacionais

  • 15. Publicações Internacionais

  • 16. Sites de Autor

  • 17. Organizações

  • Ciência e Tecnologia

  • tags:

    por Arrastão
    link do post | partilhar

    por Arrastão

    Deram-me, entre outros, os nomes Ana Nunes, faço parte da prole de Lisboa, já vivi 35 verões, sou bloguista estreante, veterana borguista, licenciada em Ciências da Comunicação numa instituição privada-burguesa e não gosto de queijo. Nunca aprendi a andar de bicicleta porque desequilibro à esquerda e acabo por cair. Sofro de bipolaridade clubística da 2ª circular, há quem diga que sou vira-casacas. Ainda acredito que a cantiga é uma arma mesmo que a linha melódica não seja uma constante. Não acredito no pai natal, creio no Pai Coltrane, no Filho Sanders e no Espírito do Ayler. Acredito no poder das Palavras e do Trabalho. O único capital que reconheço é a Natureza Humana. Tenho a certeza que é possível Ter, Viver e Ser melhor. Deste dia e até deixar de o fazer, arrastarei.

     

     

    Exactamente dois meses antes da chegada da revolução de Abril, aparecia eu, Andrea Peniche. Foi parto natural e em hospital público, lá para os lados de Vila do Conde.Escapei por um triz aos Pioneiros e à JCP. Dei por mim nas lutas contra a PGA e depois contra as propinas. Fui presidente da AE de Letras do Porto. Militante do PSR desde os 15 anos, desemboquei com esperança no Bloco de Esquerda. Descobri-me feminista e fiz disso militância. Pelo meio cursei filosofia e defendi uma dissertação de mestrado que virou livro: Elas somos nós. O direito ao aborto como reivindicação democrática e cidadã, publicado em 2007 pela Afrontamento. Para ganhar a vida, trabalho na editora que me publicou. Aventurei-me na blogosfera com a Minoria Relativa, onde está parte de mim. Vivo no Porto e tenho sotaque. Gosto de tripas e do FCP.

    Outro blogue: Minoria Relativa

     

     

    Nasci em Coimbra, por alturas de 1978 sob a designação Bruno Daniel Gomes de Sena Martins (vá, Bruno Sena Martins). Fiz a licenciatura em Antropologia na Universidade de Coimbra onde também concluí o mestrado em Sociologia. A dissertação de mestrado que depois se verteu no livro E se eu fosse cego, publicado em 2006 pela Afrontamento, recebeu o Prémio do Centro de Estudos Sociais para jovens cientistas sociais de língua oficial portuguesa. Actualmente concluo uma tese de doutoramento que, a partir de um trabalho de comparação etnográfica entre Portugal e Moçambique, tenta analisar situações. Sou investigador associado no Centro de Estudos Sociais na Universidade de Coimbra onde actualmente integro alguns projectos de investigação. Atraído pela moda dos solitários dados a insónias, juntei-me à blogosfera no longínquo verão de 2003 por via do blogue avatares de um desejo, espaço onde ainda hoje explano disfunções para adormecer. Mais recentemente, abracei a causa das colectividades blogosféricas e integrei a equipa do Blogue de Esquerda da Sábado, a do 5 dias e a do Aparelho de Estado do Expresso. Enquanto independente, fui duas vezes candidato nas listas do Bloco de Esquerda (legislativas e autárquicas), mandou o bom senso que não fosse eleito (ou sequer elegível). O FCP é a minha nação.


    Outro blogue:
    Avatares de um Desejo

     

     

    De minha graça Daniel João Figueiredo de Oliveira, Daniel Oliveira para os conhecidos e apenas Daniel para os amigos, nasci em 1969 na freguesia de São Jorge de Arroios, na incomparável cidade de Lisboa. Na política, fui, ainda petiz, da Juventude Comunista Portuguesa, de onde saí em 1989. Passei pela felizmente defunta Plataforma de Esquerda e pela Política XXI, acabando por desaguar no Bloco de Esquerda, de que sou fundador e onde fui assessor de imprensa, membro da Mesa Nacional e da Comissão Política. Agora sou militante de base e não desgosto.
    Jornalista desde 1988, com magros 18 anos, trabalhei no “Século”, “Diário de Lisboa”, “Já”, “Vida Mundial”, “Diário Económico” e vários programas da RTP como jornalista, editor e autor. Recebi o Prémio Revelação Gazeta de 1998. Tive uma breve passagem pela publicidade. Na blogosfera cheguei na pré-história: passei pelo Blogue de Esquerda, Barnabé, Aspirina B e Arrastão. Fui colunista na “A Capital” e sou agora no “Expresso” e “Record”, além de participar no programa “Eixo do Mal”, da SIC Notícias. Regressado aos estudos nos últimos anos, depois de uma experiência em sociologia, dedico o tempo que me sobra a uma tese de mestrado algures entre o jornalismo e a política. Quando estiver pronta digo sobre quê. Sou sócio do Sporting.

     

     

    Chamo-me João Rodrigues. Nasci, em 1977, em Coimbra, onde vivo actualmente. Sou licenciado em Economia e mestre em Economia Monetária e Financeira pelo ISEG-UTL. Fui investigador no DINÂMIA-ISCTE e dei aulas de Economia no ISCTE e na Universidade Lusófona. Vivi doze anos em Lisboa. Estou a concluir o doutoramento na Universidade de Manchester com uma tese intitulada Onde pára o mercado? Ludwig von Mises, Friedrich Hayek e Karl Polayni. Tenho escrito artigos académicos e capítulos de livros nas áreas da história das ideias económicas e dos debates sobre a construção dos mercados e os seus limites. Escrevo uma crónica semanal para o jornal i e faço parte do conselho editorial do Le Monde diplomatique – edição portuguesa. De vez em quando faço umas traduções. Comecei a blogar no Ladrões de Bicicletas, do qual continuo a fazer parte, há coisa de três anos.
    Não estou nada convencido que o capitalismo, mesmo que se reconheça a sua diversidade e plasticidade institucionais, deva ser o fim da história. O socialismo só pode ser um humanismo que se faz e desfaz na “economia moral da multidão” e nas políticas públicas que mudam as regras do jogo: democracia sem fim numa comunidade política decente e nas instituições da economia, construção legal e social das liberdades e criação das condições para uma igualdade substantiva. Só escrevo sobre economia, política, economia política e política económica.

    Outro logue: Ladrões de Bicicletas

     

     

    Miguel Cardina. Nasci na Nazaré em 1978 e instalei-me em Coimbra ainda no século passado. Depois de uma passagem fugaz por um curso de Comunicação Social, estudei aplicadamente Filosofia para depois me dedicar à História Contemporânea. Fiz a dissertação de mestrado – publicada pela Angelus Novus em 2008 – em torno dos movimentos estudantis durante o marcelismo, e estou neste momento à espera de defender a tese de doutoramento, sobre o maoísmo em Portugal entre 1964 e 1974. Publiquei em 2010 um pequeno livro de capa azul sobre a esquerda radical nas décadas de 1960 e 1970. Sou investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Ando pelos blogues desde 2004 e já foram tantos que tenho medo de enumerá-los e esquecer-me de algum. Por agora escrevo no Arrastão e no Aparelho de Estado. Sou militante de várias agremiações, entre as quais o Bloco de Esquerda. Toco bateria e percussão nos dias inúteis.

     

     

    Pedro Sales. Nascido em 73, comecei a dar os meus primeiros passos ainda estavam frescos os cravos do 25 do 4. Frequentei a licenciatura de Estudos Portugueses na Universidade Nova, mas uma propensa aversão a línguas mortas levou-me a deixar a Avenida de Berna com meia dúzia de cadeiras penduradas. Activista contra as propinas, fiz parte da associação de estudantes da FCSH durante três anos e escrevi umas coisas para o jornal da mesma.
Trabalhei –ou, como se diz agora, colaborei – para o portal educativo da Porto Editora, antes de enveredar pelo mundo da burocracia parlamentar, primeiro na área da educação, actualmente com a assessoria de imprensa do Bloco de Esquerda.
Comecei a minha participação na bloga pela porta dos fundos, entrando para o Barnabé escassos meses antes da sopa entornar. Escrevi no Zero de Conduta e agora, quando não ocupo o meu tempo a andar de bicicleta, vou dando novidades no Arrastão.

     

     

    Chamo-me Pedro Vieira e nasci em Lisboa no verão quente de 1975, cidade onde vivo até hoje. Fiz o ensino secundário na escola António Arroio e a licenciatura em Publicidade e Marketing na Escola Superior de Comunicação Social. Actualmente trabalho para o Canal Q das Produções Fictícias e sou ilustrador freelancer. Na blogosfera criei e enterrei o agridoce, passei pelo 5 Dias e faço parte do Arrastão desde Setembro de 2008; continuo a ser ditador absoluto no irmaolucia. Sou adepto do Fóculporto e o meu cartão partidário é o Lisboa Viva.

    Outro blogue: Irmão Lúcia

     

     

    Chamo-me Sérgio Lavos. Nasci em 1975, numa aldeia perto de Leiria, e vim para Lisboa licenciar-me em Estudos Anglo-Portugueses na FSCH. De seguida, para não ser mais um professor no desemprego, e para confirmar a ideia de que os estudos nem sempre compensam, dediquei-me aos livros, na sua vertente menos intelectual – tornei-me livreiro. E assim tem sido desde então, mas entretanto descobri o maravilhoso mundo do semi-anonimato blogosférico. O primeiro blogue foi um nado-vivo – não me lembro sequer do nome – o segundo está em coma – Arquivo Fantasma – e o terceiro continua calmamente como o blogue menos polémico das redondezas – o Auto-retrato. Se o trabalho quase sempre evidencia a minha coluna vertebral com inclinação para a esquerda, em descanso prefiro dar lugar à minha costela burguesa – a comida, a bebida, as viagens, muito cinema e alguns livros a sério. Será sobretudo disto que vou falar.

    Outros blogues: Auto-retrato

    tags:

    por Arrastão
    link do post | partilhar

    por Daniel Oliveira



    Há um ano falei aqui do desaparecimento de Hossein Derakhshan, o “pai” dos bloggers iranianos. Perante a suspeita de que se encontra, como tantos opositores, preso, foi lançada uma petição (da qual tomei conhecimento via Jugular) para a sua libertação. Assinem.

    por Daniel Oliveira
    link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar

    por Daniel Oliveira



    Que sobre a realização de um julgamento de um terrorista confesso se diga que se está a dar ao 11 de Setembro "uma segunda vida" (o conservador Charles Krauthammer, no "Washington Post"); que se avise para os riscos dele ser libertado (Neil Cavuto, na Fox, e Rudy Giuliani); e que se propteste por o julgamento da à "jihad" o palco que ela precisa; diz muito do ponto a que se chegou na falta de naturalidade com que se olha para o Estado de Direito nas democracias. Mas mais extraordinário é que a defesa do julgamento civil se faça na mera presunção de que este será uma boa "plataforma de propaganda" para o "nosso lado" (Steven Simon, no "New York Times"); que se descanse a opinião pública garantindo que a defesa não conseguirá dar relevância às práticas ilegais de interrogatório; e que Barack Obama antecipe já que Khalid Sheikh Mohammed será "condenado" e até que lhe será "aplicada a pena de morte".

    Independentemente do resultado, este julgamento civil, e não em comissões militares e o uso de formas ilegitimas de recolha de prova, é um passo fundamental para a reposição da legalidade. A sua confissão é anterior à sua detenção e por isso a absolvição é improvável. Mas mais do que reduzir, aos olhos da opinião pública, a sensação de risco pela realização de um julgamento justo, é o elogio a esta forma de proceder que devia ser reforçado. Com ou sem riscos, um julgamento civil com todas as garantias é uma vitória da democracia. E, por isso, uma vitória perante tudo o Khalid Sheikh Mohammed representa.

    por Daniel Oliveira
    link do post | comentar | ver comentários (15) | partilhar

    Domingo, 22 de Novembro de 2009
    por Pedro Sales


    "A deterioração das relações laborais avança em Portugal a um ritmo avassalador, com perda de direitos e erosão das condições de vida para sectores cada vez mais vastos da população. A par do aumento do desemprego, há hoje cerca de 2 milhões de pessoas em situação de precariedade, sujeitas à arbitrariedade dos patrões, obrigadas a aceitar os baixos salários e a incerteza, à margem do enquadramento legal, da protecção social e das garantias mínimas. A chantagem social individualiza as relações laborais para enfraquecer a parte mais fraca: os trabalhadores/as.



    Assim, há hoje milhares de trabalhadores/as a recibos verdes que viram acumular-se uma dívida à Segurança Social, que, nas suas condições, não conseguem saldar. Uma dívida quase sempre contraída numa situação que, além de injusta, é ilegal. É uma dívida contraída porque os patrões não descontaram o que deveriam, se a esse trabalho correspondesse o contrato de trabalho devido; é uma dívida contraída por milhares de pessoas que nunca tiveram direito aos subsídios de férias ou de Natal; é uma dívida contraída por pessoas que, por serem cinicamente consideradas empresários/as, nunca tiveram apoio na doença ou no desemprego."

    O vídeo é elucidativo sobre o teor da posição subscrita por quatro associações que lançaram esta justíssima petição: antes da dívida temos direitos.

    Espero que os autores, depois de deixarem a petição no Parlamento,  não se esqueçam de enviar uma cópia à nova ministra do Trabalho. Já que José Sócrates conseguiu entregar a pasta do Trabalho à única pessoa a viver em Portugal que ainda se deixa surpreender com a número de desempregados, é bem possível que a pasmada ministra também nunca tenha ouvido falar de falsos recibos verdes e outras minudências que fazem o dia-a-dia de milhares de jovens precários.

    por Pedro Sales
    link do post | comentar | ver comentários (52) | partilhar

    por Daniel Oliveira
    Com a gripe A, todos os cuidados são poucos. Veja aqui para onde deve realmente tossir.

    por Daniel Oliveira
    link do post | comentar | ver comentários (19) | partilhar

    Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009
    por Daniel Oliveira
    O Arrastão continua a assinalar o 20º aniversário da queda do muro com a série "Guerra Fria". O documentário tem 24 episódios, é de Jeremy Isaacs e foi produzido em 1998 pela CNN e BBC.

    O primeiro episódio foi sobre o período até ao fim da guerra; o segundo sobre os primeiros anos pós-guerra e a Europa nascida de Yalta; o terceiro sobre o Plano Marshall; o quarto sobre o bloqueio soviético a Berlim Ocidental e as pontes aéreas então criadas; o quinto sobre a Guerra da Coreia; o sexto sobre o senador McCarthy e o terror estalinista; o sétimo episódio cobre os acontecimentos depois da morte de Estaline, incluindo o discurso de Kruschev ao XX Congresso do PCUS e a invasão da Hungria; e o oitavo sobre o começo da corrida nuclear, ao armamento e à conquista do espaço.

    Este episódio, o nono, é precisamente sobre a construção do Muro de Berlim.


    por Daniel Oliveira
    link do post | comentar | ver comentários (40) | partilhar

    por Pedro Sales
    Para lá do que o Daniel já aqui escreveu sobre o nulo peso político dos dois desconhecidos que aterraram nos novos cargos da UE – lugares cuja importância era um dos argumentos centrais de quem defendia o tratado Lisboa -, a forma como se chegou ao nome da Alta Representante para a Política Externa diz-nos alguma coisa sobre o debate politico indígena.

    Catherine Ashton foi escolhida como prémio de consolação pela nega a Blair, cujo nome já era apresentado como o putativo presidente da União ainda a ratificação do tratado de Lisboa não passava de uma miragem. Sintomaticamente, antes mesmo de Merkel enterrar as pretensões de Blair, a campanha contra o seu nome já tinha o líder do partido conservador britânico, David Cameron, como porta-voz.

    Parece que, fora do bloco central que impera neste cantinho, ainda há quem determine as suas escolhas políticas por minudências como a mundivisão geopolítica em detrimento da nacionalidade. Um registo que torna ainda mais claro o provincianismo serôdio que imperou em Portugal quando se discutia a reeleição de Durão Barroso e que levou José Sócrates a apoiar o mestre de cerimónias da cimeira dos Açores.

    por Pedro Sales
    link do post | comentar | ver comentários (21) | partilhar

    por Pedro Sales
    Philip Roth, Amos Oz e Nick Cave são alguns dos nomes que podem ganhar a dúbia distinção de serem os autores das piores cenas de sexo na literatura. Escrevesse José Rodrigues dos Santos as suas fantasias lácteas em inglês e o prémio já tinha dono. Ou talvez não, se, como parece, a coisa não se ficar só pelo chavascal e tiver mesmo alguma relação com a literatura

    por Pedro Sales
    link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

    por Daniel Oliveira






    por Daniel Oliveira
    link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

    por Daniel Oliveira
    Razões internas mais do que externas explicam a tensão entre a Venezuela e a Colômbia. Contam os jornais que soldados venezuelanos fizeram ontem explodir duas pontes na fronteira entre os dois países. O Governo de Bogotá já anunciou que irá denunciar o caso no Conselho de Segurança da ONU e da OUA. Mas vale a pena ver uma das pontes dinamitadas para perceber o que é uma "guerra" feita para os jornais.


    por Daniel Oliveira
    link do post | comentar | ver comentários (13) | partilhar

    por Daniel Oliveira
    O Fluminense venceu a meia-final para a Taça Sul-Americana com o Cerro Porteño, do Paraguai. Os derrotados não gostaram e houve um prolongamento muito especial do jogo. Com participação da polícia brasileira, ganhou, também nesta modalidade, ao que parece, a equipa da casa.

    </object>


    por Daniel Oliveira
    link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar

    por Daniel Oliveira



    Podem os países europeus encherem-se de brio e criarem cargos supranacionais com nomes pomposos. Quando chega a hora da verdade os líderes nacionais preferem escolher gente que não lhes faça sombra. Foi assim com Barroso, assim voltou a ser com Herman Van Rompuy (presidente permanente do Conselho Europeu) e Catherine Ashton (Alta Representante para a Política Externa). Quem? Pois!

    por Daniel Oliveira
    link do post | comentar | ver comentários (23) | partilhar

    Quinta-feira, 19 de Novembro de 2009
    por Daniel Oliveira

    </object>

    Via Porta da Capitania


    por Daniel Oliveira
    link do post | comentar | ver comentários (12) | partilhar

    por Daniel Oliveira
    O PSD prepara-se para impedir a suspensão da avaliação dos professores que, já acontecendo de facto, falta acontecer de lei. E assim se estreia numa nova modalidade: habituados que estamos a ver os partidos do Bloco Central a não cumprir as promessas eleitorais quando cada um deles vence as eleições, agora teremos de nos habituar a vê-los não as cumprir mesmo quando perdem.

    por Daniel Oliveira
    link do post | comentar | ver comentários (93) | partilhar

    por Daniel Oliveira


    por Daniel Oliveira
    link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

    Quarta-feira, 18 de Novembro de 2009
    por Pedro Vieira
    valeu a pena rezar à Nossa Senhora do Karadzic.

    por Pedro Vieira
    link do post | comentar | ver comentários (15) | partilhar

    pesquisa
     
    TV Arrastão
    Inquérito
    Outras leituras
    Outras leituras
    Subscrever


    RSSPosts via RSS Sapo

    RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

    RSSComentários

    arquivos
    2014:

     J F M A M J J A S O N D


    2013:

     J F M A M J J A S O N D


    2012:

     J F M A M J J A S O N D


    2011:

     J F M A M J J A S O N D


    2010:

     J F M A M J J A S O N D


    2009:

     J F M A M J J A S O N D


    2008:

     J F M A M J J A S O N D


    2007:

     J F M A M J J A S O N D


    2006:

     J F M A M J J A S O N D


    2005:

     J F M A M J J A S O N D


    Contador