Sábado, 29 de Maio de 2010
por Arrastão
Texto de José M. Silva (José)

Sendo o Arrastão um blogue de substância política, decidi abordar um tema totalmente diferente. José Sócrates.
Partilho a convicção da maioria dos portugueses: Sócrates é um grande filho de Afonso Henriques. Filho mesmo, não restrito ao sentido de que todos nós também o somos.

Em meados do século passado, um grupo de arqueólogos terá descoberto o vestido usado por uma secretária estagiária da corte do primeiro Rei de Portugal. Deste extraíram a Real semente que utilizaram para fecundar uma voluntariosa mulher. Estava dada continuidade à linhagem da primeira dinastia, devido ao consequente nascimento do nosso agora também primeiro, não rei, mas ministro.

Pressinto a crítica dos mais cépticos: "Huumm, e a semente, mesmo de tão ilustre proveniência, conservava-se durante 800 anos?". Confesso que também me soa estranho, mas homessa, um país cheio de portugueses parece-me bastante mais improvável de aguentar tanto tempo e afinal cá estamos.

Há algo mais que sustente esta afirmação? Obviamente que sim. Se até Saramago tem Pilar que o suporta, esta bem mais simpática tese tem toda uma estrutura a alicerçá-la.

Afonso Henriques foi um grande homem que edificou um país de Norte a Sul. "Ahh, faltou-lhe o Algarve..." relembram as pessoas de mau feito. Não, respondem as mais clarividentes. Neste caso, acompanhadas pelo autor do texto. Esse, o Algarve, não o autor, tal como as ilhas nos saudosos boletins meteorológicos, sempre foi algo à parte.

Provavelmente ninguém se lembra do tempo em que os meteorologistas diziam "Irá fazer sol em Portugal e na Madeira", mas com certeza têm frescas as palavras daqueles que se intitulavam "Rei de Portugal e dos Algarves".

Onde está a evidência da ascendência directa, real e afonsina de Sócrates? - insistem os espíritos quezilentos.
Recapitulando, Afonso Henriques, no espaço de uma vida, construiu um País inteiro. Como é sabido, quando os pais já tudo construíram, aos filhos só resta destruir.

Nota final: Há esperança? Existe quem se agarre à ideia de Afonso Henriques ter sucumbido pouco tempo depois de Portugal ter recebido a bênção do Papa.

por Arrastão
link do post | comentar | partilhar

17 comentários:
Sem dúvida um dos três melhores posts de comentadores publicados hoje e até esta hora no Arrastão!

deixado a 29/5/10 às 19:04
link | responder a comentário

da Maia
Carlos:

tu é que estás a puxar-me pela língua, isto é se foste ver o link que te mandei há uns largos tempos... Usando o olho sinistro-esquerdo de Camões, o Adamastor nunca foi o mau da fita, muito pelo contrário, é o desgraçado herói bom, é o rei grande demais, que a frieza dos ardis cortesãos reduziu a pedra...
Vai lá ver o link - que não quero voltar a colocá-lo, por causa dos chouriços não normalizados... é que se esta produção enche muito, dá nas vistas zarolhas.
Aquilo que escreveste, a belo brincar, também me deixa com a comichão habitual. Não podias ter dito melhor, é mesmo:
Poor eu, Poor tu, Poortugal...
Valha-nos St. António e o menino!

Quanto ao Algarve, mas alguém quer saber da história dos "saloios"?... do que era a vida no período de influência muçulmana, das Taifas, como a Taifa de Silves? Oh, pá!
Para Herculano e sucessores, o país brotou de geração espontânea. E a mania de reduzir tudo a pó em Portugal tem barbas, vê lá se restou alguma coisa que parecesse árabe... tá quieto! A malta é só puros-sangue!

Abraços para ti e para o José,
da Maia

deixado a 29/5/10 às 20:28
link | responder a comentário

Caro José, eu estou em todas. É "no ano da graça", é no "qual é a sua graça", é no "isto tem graça"... é a desgraça deste nome.

:)

Não se desidrate, meu caro, faça como eu: quando o Da Maia e o Cafc começam a desfiar latim, eu fico no meu canto, muito sossegada, lendo e relendo o que não dizem mas que fica magnificamente implícito. É um talento que não tenho.

abraço

deixado a 30/5/10 às 15:26
link | responder a comentário

da Maia
Cara Graça,
reparei aqui nesta resposta, que me deixou as bochechas ruborescidas! Por isso, não me venha cá com talentos, que é moeda antiga, da qual bem sabe, e já lhe disse, ser proprietária natural.

Se o José conseguir ver a graça dos outros, para além do seu estado de graça inato, então talvez um dia se surpreenda com a Graça, à distância de um click, em vez de usar o nome como uma simples palavra de oportunidade perdida.

A si Graça, peço perdão de abusar do nome para explicar a ideia, e como sempre mando aquele abraço de cotas,
da Maia

deixado a 30/5/10 às 23:25
link | responder a comentário

Antonio Cunha
Socrates é verdadeiramente um Tuga.... Disso não restam duvidas.

Manhoso, aldrabão, artolas, e muito mas muito espertalhão.

deixado a 31/5/10 às 10:17
link | responder a comentário

cafc
"Clube dos cotas vivos"

Para que conste, assino, por extenso o comentário do "sócio" da Maia.

Aqueles abraços

Carlos Alberto Fernandes Correia

deixado a 31/5/10 às 10:28
link | responder a comentário

Muito bom este texto, na minha modesta opinião :)

Cheio de referências mais ou menos subtis (por exemplo aquela feita a Monica Lewinsky) e de jogos de palavras (por exemplo, o jogar com o nome da mulher do Saramago e com o duplo sentido da palavra "suporte", para brincar com a personalidade do escritor, tudo na mesma frase).

Interrogo-me se terão sido compreendidas ou se não tenho mesmo jeito para escrever este tipo de textos.l

deixado a 31/5/10 às 12:36
link | responder a comentário

Comentar post

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador