Sábado, 29 de Maio de 2010
por Arrastão
Texto de José M. Silva (José)

Sendo o Arrastão um blogue de substância política, decidi abordar um tema totalmente diferente. José Sócrates.
Partilho a convicção da maioria dos portugueses: Sócrates é um grande filho de Afonso Henriques. Filho mesmo, não restrito ao sentido de que todos nós também o somos.

Em meados do século passado, um grupo de arqueólogos terá descoberto o vestido usado por uma secretária estagiária da corte do primeiro Rei de Portugal. Deste extraíram a Real semente que utilizaram para fecundar uma voluntariosa mulher. Estava dada continuidade à linhagem da primeira dinastia, devido ao consequente nascimento do nosso agora também primeiro, não rei, mas ministro.

Pressinto a crítica dos mais cépticos: "Huumm, e a semente, mesmo de tão ilustre proveniência, conservava-se durante 800 anos?". Confesso que também me soa estranho, mas homessa, um país cheio de portugueses parece-me bastante mais improvável de aguentar tanto tempo e afinal cá estamos.

Há algo mais que sustente esta afirmação? Obviamente que sim. Se até Saramago tem Pilar que o suporta, esta bem mais simpática tese tem toda uma estrutura a alicerçá-la.

Afonso Henriques foi um grande homem que edificou um país de Norte a Sul. "Ahh, faltou-lhe o Algarve..." relembram as pessoas de mau feito. Não, respondem as mais clarividentes. Neste caso, acompanhadas pelo autor do texto. Esse, o Algarve, não o autor, tal como as ilhas nos saudosos boletins meteorológicos, sempre foi algo à parte.

Provavelmente ninguém se lembra do tempo em que os meteorologistas diziam "Irá fazer sol em Portugal e na Madeira", mas com certeza têm frescas as palavras daqueles que se intitulavam "Rei de Portugal e dos Algarves".

Onde está a evidência da ascendência directa, real e afonsina de Sócrates? - insistem os espíritos quezilentos.
Recapitulando, Afonso Henriques, no espaço de uma vida, construiu um País inteiro. Como é sabido, quando os pais já tudo construíram, aos filhos só resta destruir.

Nota final: Há esperança? Existe quem se agarre à ideia de Afonso Henriques ter sucumbido pouco tempo depois de Portugal ter recebido a bênção do Papa.

por Arrastão
link do post | comentar | partilhar

17 comentários:
cafc
Meu caro da Maia

No meio desse discurso, deixaste o "Adamastor" para mim, não foi?

Esse "mostrengo" que vai passando, de geração em geração, como "reencarnação do Grande Velho", omnipotente, omnisciente e omnipresente.
Que utiliza velhos e novos medos para nos "adamosticar" (já sabes, dislexia das vogais).

O Porto já era "Oporto" (já escreveste sobre o negócio). "Allgarve" foi inventado por quem teve dois dedos na "pinha" (ou era Pinho?), numa cena para lamentar. Género "vai marrar com a tua tia, pá!". E, olé...

Pronto, estive aqui a "encher chouriços" (acho que é a ASAE que está a tocar à campaínha...). Um "gajo" já não pode estar na NET, que "eles" sabem tudo. Será o Echelon? "Eucheilá".

Meu amigo, neste "Poortugal", cada vez mais, há quem passe mal. Se calhar, a culpa é, mesmo, do D. Afonso Henriques. Partamos, então, à descoberta dos nossos "males".

O "tipo" bateu na mãe ou no amante dela? O Egas Moniz era o aio ou o verdadeiro pai? O tio da cunhada da mãe do primo do irmão do alcaide do Castelo de Faria não terá algo a ver com isto tudo?

Meu caro, "desparasitar ou não desparasitar..."
Agora vou-me embora, porque já estou a ficar com "aquela comichão".

Para ti e para o José

Um abraço.

deixado a 29/5/10 às 18:26
link | responder a comentário

Comentar post

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador