Terça-feira, 20 de Setembro de 2011
por Daniel Oliveira

 

A dívida astronómica do governo regional da Madeira, que nem o imposto extraordinário de Natal chega para pagar, não é novidade. Há anos que sabemos que Alberto João Jardim se eterniza no poder por não ter de fazer contas. As suas campanhas resumem-se a uma sucessão de inaugurações de obras sobre obras, não havendo na ilha já quase espaço para tanto betão e asfalto.

 

A forma despudorada como nos rouba e ainda goza também não é novidade. Quando o País se comovia e aceitava, como gesto natural de solidariedade com os compatriotas madeirenses, que, em tempo de crise, fossem canalizados para a ilha milhões, com vista à reconstrução depois da tragédia, o cacique madeirense não hesitou em gastar o dinheiro em outras obras e despesas. Perante a austeridade geral, riu-se de nós e explicou que tencionava continuar a esbanjar. Porque nada podemos fazer para o impedir.

 

A violação descarada das leis da República, de que troça, por conhecer o seu estatuto de inimputável, também não é novidade. O senhor absoluto da Madeira persegue opositores, cala jornalistas, insulta detentores de cargos públicos e ainda usa as forças de segurança para impedir protestos e os tribunais para calar criticas, incluindo de deputados que, em princípio, têm imunidade parlamentar. Financia imprensa que lhe faça propaganda, esmaga a que faça jornalismo, distribui negócios por amigos e empregos por familiares, impede deputados eleitos pelo povo de entrar na Assembleia Regional e recusa-se a aprovar a lei de incompatibilidades que vigora no resto do País.

 

A cumplicidade com que sempre foi contando também não é novidade. Quando o Presidente da República se deslocou à Madeira, foi impedindo de ir ao parlamento regional e aceitou receber deputados da oposição num quarto de hotel, como se estivesse numa qualquer ditadura do terceiro mundo. Deixou que assim fosse, porque a democracia e o Estado de Direito têm um offshore na Madeira, aceite por todos.

 

Durante anos o País sorriu com as alarvidades deste déspota local. Durante anos achou o seu desprezo pela lei, pela democracia, pelo Estado e por todos nós "politicamente incorrecto" e sinal de "rebeldia". Agora ele explica, com todas as palavras, que rebentou com centenas de milhões, violou a lei e nos mentiu para não ser apanhado. E ainda se diverte com isso. Queixamo-nos? Não sei porquê. Merecemos pagar cada cêntimo que nos roubou. Achámos que não era para o levar a sério. Agora pagamos a brincadeira. Muitos madeirenses corajosos, que há quase quatro décadas fazem frente ao Presidente num ambiente político sufocante, têm pago um preço bem mais alto pela sua ousadia. Nunca quisemos saber deles. Vem agora a fatura. É bem feita.

 

Publicado no Expresso Online


por Daniel Oliveira
link do post | comentar | partilhar

60 comentários:
Mike
Realmente este tipo de discurso, bem que podia ser escrito em alemão... e dirigido aos políticos cá do burgo... Não se notaria nenhuma diferença...

Será que o daniel quer que a bandeira da madeira seja colocada a meia haste?

deixado a 20/9/11 às 11:51
link | responder a comentário | discussão

Mike, como é evidente notaria. Além de que nem a dívida portuguesa se assemelha em dimensão (à escala) à da Madeira (basta dizer que cada madeirense, sem contar com a dívida nacional, deve trinta mil euros, se somarmos a dívida nacional, que é de todos, e também deles, devem o triplo dos restantes portugueses), nem me canso de repetir que, até ao aumento dos juros, em 2008, a nossa dívida pública era inferior à média europeia. Não há qualquer comparação entre as duas situações.


O que EM NADA tira razão ao comentário. Sim, este post poderia ter sido escrito em alemão a falar dos portugueses ou dos gregos.

Já agora, Daniel, aquele discurso da importância da economia estatizada porque os seus dirigentes são eleitos...é para esquecer se os eleitos não forem do BE ou, pelo menos, "madeirenses corajosos" em quem ninguém votou?


Carlos Monte
Você tem que deixar de beber tanto!

deixado a 20/9/11 às 19:21
link | responder a comentário | início da discussão

Sérgio Pinto
Que comentário absurdo, Tonibler. Alguém disse que alguém eleito para um cargo público deve poder cometer todo o tipo de ilegalidades?


Volta a ler Pinto, não foi isso que eu disse. O que provoquei foi um argumento várias vezes usado pelos estatistas, e que o Daniel usou comigo já algumas vezes, de que o poder no estado faz sentido porque os seus dirigentes são (supostamente) eleitos. E depois passa a vida a dizer cobras e lagartos (muitas vezes com razão) dos dirigentes eleitos que só cometem estes excessos porque há excessos para cometer, graças a pessoas como vocês que lhes metem o meu dinheiro nas mãos.

deixado a 21/9/11 às 21:27
link | responder a comentário | início da discussão

Mike
Ou seja... Estás a dar-me razão... para ser exactamente a mesma coisa, só falta que os números sejam equivalentes!!!

A diferença está na percentagem...

Bote-se a bandeira a meia haste, por favor...

PS (cruz credo): Até 2008 o socrates andava a governar bem, não andava a empenhar o país aos bancos através das PPP, a botar dinheiro pela janela fora em programas tipo magalhães, etc etc.... Será que é esta a tua visão? se assim for, ainda mais trampolineiro me saiste... vais acabar seguro a qualquer lado

deixado a 20/9/11 às 12:37
link | responder a comentário | início da discussão

Mike
Não são as situações que são comparáveis...
O que é comparável é o teu discurso e o do ministro das finanças alemão...
E isso é que é bem mais grave do que qualquer divida da madeira ou de portugal... é o dizeres que CADA madeirense deve trinta mil euros... Isto é MUITO grave... sobretudo num tipo que se afirma de esquerda (coisa que evidentemente, na minha opinião, não és)!!!!

Quem deve foi quem roubou, e aí garanto-te: não foi o povo da madeira que roubou... Só o bernardo ou lá como se chama essa coisa deve mil milhões... Os ladrões têm rosto e têm nome, não são os madeirenses em geral, tal como quem nos levou para o programa de extorsão externa, não foram os portugueses em geral, mas sim um punhado deles que ainda hoje continuam a roubar e a passar entre os pingos da chuva.

deixado a 20/9/11 às 13:07
link | responder a comentário | início da discussão

Carlos Marques
Primeiro: a dívida portuguesa não disparou a partir de 2008 apenas por causa do aumento de juros - seja sério, Sr. Daniel Oliveira. Em 2009 havia umas eleições para ganhar e foi a despejar milhões no país que elas foram ganhas. (Como está aquela empresa de Viana de semi-condutores, por exemplo?)

Segundo: na Madeira parece que há 53 centros de saúde, um por freguesia, ou seja, foi a fazer o que o BE e o PCP queriam e querem fazer no Continente que a Madeira chegou ao ponto a que chegou.

Conclusão: os madeirenses são portugueses de primeira - pagam menos impostos e têm mais e melhor Estado.

Quantos centros de saúde têm o concelho de Sintra ou o concelho da Amadora ou de Almada, por exemplo, que têm muito mais população do que a Madeira? 

Chegou a hora de os madeirenses pagarem, ou então façam-se regiões autónomas em todo o país.
 

deixado a 20/9/11 às 13:16
link | responder a comentário | início da discussão


Mike, palavra que pensei o mesmo! E sou de esquerda, acredite-se ou não - que é para o lado que eu durmo melhor.



cafc

Cara amiga Graça


Penso que chegou o momento de uma espécie de “confissão”:


Eu “esquerdalho” me confesso a “Deus Financeiro” todo-poderoso, à bem-aventurada sempre Virgem Banca, à bem-aventurada Santa Angela Merkel, ao bem-aventurado Sarcozy, aos santos apóstolos S. Pedro (Passos Coelho) e S. Paulo (Portas), a todos os Santos Illuminati e a vós Padre Bilderberg, porque pequei muitas vezes, por pensamentos, palavras e obras.


Por minha culpa (não acredito em ditaduras); Por minha culpa (não acredito neste “modelo” de democracia); Por minha máxima culpa (não acredito na globalização).


Portanto, rogo à bem-aventurada Virgem Banca, à bem-aventurada Santa Angela Merkel, ao bem-aventurado Sarcozy, aos santos apóstolos S. Pedro (Passos Coelho) e S. Paulo (Portas), a todos os Santos Illuminati e a vós Padre Bilderberg, que rogueis a “Deus Nosso Senhor Financeiro” por mim.


E por mim, podeis ir todos para onde o Pinheiro de Azevedo mandou os operários:


http://www.youtube.com/watch?v=tLVmLWD21II


Amiga, terminei a minha “confissão”. Se alguém ficar confuso, faça o favor de dizer. Como dizia o outro, “tu sabes do que estou a falar”.


Beijocas da “trupe” feminina.


Aquele grande abraço, excepcionalmente, a fazer “serão”.

Carlos


Meu caro amigo Eu-Génio Carlos,

A minha confissão será bem mais prosaica, para que não haja "confusões": estou farta dos políticos "experientes", da conversa da treta, das reviravoltas e ricochetes linguísticos, das verdades indiscutíveis de hoje que o deixam de ser amanhã, das falsas reservas morais de uma esquerda vesga e inconsequente, da arrogância pacóvia de uma direita imbecil, de um povinho estúpido e cobarde, da defesa clubística na política, de oportunistas apelidados de empresários, dos trauliteiros comentadores encartados e iluminados de todos os quadrantes, do saque legalizado, do roubo por decreto, das promiscuidade e gatunagem em nome do superior interesse nacional... em suma, das malfeitorias praticadas neste pobre e malfadado país onde os "visionários", todos eles, nos levam, alegremente, á derrocada final.

Tudo isto em nome do povo, essa massa amorfa de zombies que ainda os aplaude em meio à baba escorrida de pura idolatria acéfala. Meu amigo, estou farta.

Aquele abraço sem desculpas e beijocas à trupe da Gália do Norte.


 


cafc

Cara amiga Graça


Perante os “visionários” de todos os quadrantes, o Povo é que paga.


Como é que ele pode “ver” mais além, se todo o “sistema” está feito para o transformar em “carne de obedecer”?


As Direitas cumprem, coerentemente o seu “papel histórico”, defendendo o sistema Capitalista, como o “supra-sumo” da evolução da Sociedade e quando as “coisas” descambam, acenam com umas “correcções”… que o Povo tem que pagar.


As Esquerdas, “complexadas com certos passados”, não apresentam alternativas de mudança verdadeira. Renegociação da dívida e “eurobonds”, representam a submissão tácita ao domínio do “Império Financeiro”. “My  name is Bond, Euro Bond” e sou um “agente secreto” ao serviço de “sua majestade imperial”. Saia uma “bejeca” para o “007”… e o Povo paga.


Amiga, alguém acredita que pode haver alguma regulação nesta “selva financeirista”? Só por ingenuidade dos “crédulos”, ou por “má-fé” dos “visionários”. “Liguem” o Balsemão, por exemplo, à “máquina da verdade” e perguntem-lhe quais são os planos do “clube de que ele é sócio”.


Como sabes, eu “estou farto de estar farto e já estou a fartar-me de mim”. Estou farto de me repetir, porque só oiço repetições “pseudo-argumentativas”, das Esquerdas às Direitas. Esses “visionários” só querem manter o “status quo”, no qual o “status” é deles e o “quo” é o que o Povo lhes disponibiliza. E fico por aqui, porque já estou a sair de algumas regras que me “auto-impus”. Porém, invoco, em “defesa própria”, a resistência ao “pus” que brota, “à bruta”, desta Sociedade purulenta.


Beijocas da “trupe” feminina.


Aquele grande abraço, desinfectado, tal como as beijocas.

Carlos

deixado a 21/9/11 às 16:27
link | responder a comentário | início da discussão

Comentar post

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador