Terça-feira, 20 de Setembro de 2011
por Andrea Peniche

 

Quem ontem ouviu Mira Amaral percebeu que também ele alinha pelo diapasão dos cortes salariais como resposta para enfrentar e superar a crise em que vivemos. Apesar da candura e do ar bem disposto com que o disse, percebia-se nele uma certa amargura de quem conhece os sacrifícios que propõe.

 

Para quem não saiba, Mira Amaral sempre foi um homem de vida dura e sacrificada. Já depois de ter sido três vezes ministro de Cavaco, foi explorado durante 18 longos meses enquanto exercia as funções de administrador na CGD. Em troca, esse injusto, despesista e gordo Estado só lhe paga 18 mil euros mensais de reforma. Porém, como não é homem fraco nem desistente, livrou-se da CGD e fez-se de novo à vida. Recusando sempre as cunhas, decidiu gastar uma pipa de massa em selos dos correios no envio do seu currículo. E como quem porfia sempre alcança, lá conseguiu um lugarzinho como presidente do BIC português. É agora assalariado de Américo Amorim e Isabel dos Santos. Farta-se de trabalhar em troca de um magro salário. Fartou-se de fazer horas extraordinárias aquando da compra do BPN pelo BIC.

 

Se é ele quem diz que é preciso cortar nos salários, eu atrevo-me a dar-lhe razão. Afinal, são palavras de quem não só sabe o que são salários baixos como de quem põe o seu próprio salário à disposição dos ditos cortes; além do mais, é um dos maiores conhecedores do que são e do que pesam os sacrifícios na vida das pessoas comuns.


por Andrea Peniche
link do post | comentar | partilhar

50 comentários:

Ouvi de raspão o que ele disse e parece-me que foi "deviam fechar umas centenas de inutilidades públicas e mandar os funcionários para casa recebendo o vencimento porque mesmo assim ficavam mais baratos".

Se estou certo, a autora do post está completamente enganada.

Uma novidade a PT tem cerca de oito mil pessoas nesta situação e claro que poupa muito dinheiro, lá não faziam nada e só gastavam telefonemas, lápis e borrachas para os garotos e cafés de borla.

Como se vê Mira Amaral inventa o ovo de Colombo.


deixado a 20/9/11 às 17:15
link | responder a comentário | discussão

Manuel

Fado Alexandrino:


Mira Amaral foi muito eficaz como ministro e gestor público, de cuja acção recebe uma choruda reforma de 3900 euros aproximadamente.


Para a minha terra, como ministro da Indústria, em 1990, comprou uma lavaria de minério por 90 milhões de contos (450 milhões de euros) aos suecos. Depois de pronta e inaugurada mandou encerrar a mina, porque o cobre internacional foi baixando o preço e não se justificava a exploração.


A mina abriu recentemente, há 2 anos, e as instalações degradaram-se durante 2 décadas, o investimento rendeu zero.


A um político experiente e sabedor exige-se o acompanhamento da situação mundial e algum grau de previsão.


A não ser que estejam em jogo outros valores, como comissões de compra (como a dos submarinos, em que na Alemanha já foi gente dentro, mas cá está tudo na paz dos anjos).


Depois a culpa do défice e da dívida é TODA dos malandros dos trabalhadores que são pouco produtivos em Portugal.



Muito obrigado.
A minha questão era outra que parece que não leu.

deixado a 20/9/11 às 22:08
link | responder a comentário | início da discussão

Comentar post

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador