Quarta-feira, 21 de Julho de 2010
por João Rodrigues


A lógica da disciplina é o movimento de transformação institucional, assente, como sempre, numa combinação de ideias e de interesses, que tendeu a remover da esfera democrática áreas cruciais da pilotagem das economias capitalistas nas últimas décadas – da regulação dos mercados à política monetária. Estas foram crescentemente entregues a novas entidades protegidas do escrutínio democrático por uma ordem jurídica idealmente blindada pela imaginação de economistas e de juristas: os guardiães da ordem neoliberal em construção política.

O BCE é um dos melhores exemplos deste processo. Mandatos de oito anos e nenhuma interferência democrática formal nas decisões políticas que dizem respeito a uma das dimensões mais importantes da soberania – a moeda. A subordinação da política monetária aos interesses e às urgências do capital financeiro, a contrapartida da "independência" política, parece agora natural. Imaginem que as decisões de política orçamental, das receitas às despesas, iam pelo mesmo caminho. A que ficaria reduzida a democracia? Pois, a pouco. E não é que foram…

O florescimento das forças do mercado global só é compatível com uma democracia cada vez mais limitada no seu alcance. Uma democracia limitada por uma arquitectura de governo conforme com a ameaça permanente da fuga de capitais, esta última só possível devido a um aturado trabalho de abolição de todos os controlos. A selectiva impotência dos governos constrói-se.

Estes arranjos só contribuíram para gerar maiores desigualdades socioeconómicas, acumulação de rendas e de crises financeiras, elevados níveis de desemprego: uma crise de distribuição, em suma. Um novo impulso democrático e igualitário pode dar origem, na esteira de Karl Polanyi, a novos "contra-movimentos" de protecção  face à insustentabilidade desta ordem económica. Só assim se pode abrir espaço a uma outra arquitectura de governo e à hipótese de uma correspondente reconstrução das economias capitalistas, tornando-as democraticamente mais impuras. Contra a lógica da disciplina, a lógica da democracia. O impulso, é claro, pode bem ser outro…

por João Rodrigues
link do post | partilhar

da Maia
Caro LB,
você é que levantou a questão...

Conhece os concursos televisivos onde pedem para ligar para dizer qual é a capital da Suécia?
- Isso resume o que é a vida.

Os tansos menos avisados pagam o telefonema, felizes por terem acertado.
Depois devem explicar-lhes que ainda há um sorteio, ou coisa do género. São ainda capazes de dizer que se ligar de novo tem mais hipóteses.

A vida é assim...
Convencem-nos de que somos dos melhores numa trampa qualquer, e nós continuamos a telefonar/trabalhar, à espera que o nosso nome caia no sorteio.

Qual é o objectivo?
Simples - manter-nos entretidos, e se possível felizes com pouco. Seria um objectivo nobre e quase divino, no entanto tem alguns graus de perversão:

- É necessário baixar as nossas expectativas de felicidade.

Repare, o Sr. PTP do BCP deve precisar para trocos de 500 mil euros anuais, enquanto a maioria dos africanos ficaria satisfeita com 500.

O Sr. PTP estará disposto a contribuir para que os 500 euros sejam suficientes para deixar 1000 africanos felizes... de forma a que ele tenha direito a 500 mil?
É bem capaz de preferir isso, a prescindir do seu quinhão para duplicar o benefício de 1000 africanos.

A investigação sobre felicidade popular não é recente, é milenar.

A felicidade controlada é uma arma mais devastadora do que uma bomba atómica, e não deixa rasto.
Chamo a isso "bomba de neutrões"... o pessoal fica neutro, não há rasto, e não incomoda as cúpulas.

Qual é o maior problema actual? - o crescendo de exigências.
É preciso diminuir a felicidade adquirida, para que os nossos objectivos não passem de um limite pouco superior ao que já temos.
Desemprego - para que o emprego seja felicidade;
Pobreza - para que a sobrevivência seja felicidade;
Insegurança - para que a segurança seja felicidade;

É preciso atacar as coisas que podiam ser dados adquiridos, mas que vão deixar de ser, passando a ser motivo de regozijo.

Compreende assim a necessidade de tornar mais instáveis coisas como o emprego, a educação e a saúde?
- Só estão preocupados em nos entreter, para que sejamos depois felizes com o que temos.

Poderia ser feito de outra forma, explicando tudo ao pessoal?
Talvez... mas houve teóricos da maçonaria que consideraram que não, e que o povo deve ter apenas direito à verdade que consegue compreender - senão pode ser manipulado.
Esse raciocínio é correcto, se olharmos para o descontrolo no "reino do Terror", após a Revolução Francesa.

deixado a 22/7/10 às 03:04
link | responder a comentário

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Email

Password


Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

pesquisa
 
TV Arrastão
Inquérito
Outras leituras
Outras leituras
Subscrever


RSSPosts via RSS Sapo

RSSPosts via feedburner (temp/ indisponível)

RSSComentários

arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


Contador